Por que vegana

Não faço parte de nenhuma seita, doutrina ou modinha. Tomo todas as vacinas e defendo a ciência, inclusive! E não acho a alimentação vegetal mais “limpa”, “saudável”, “pura”, “fitness”, nem me sinto superior ou mais espiritualizada por ser vegana. É uma escolha.

Uma decisão política que tomo todos os dias de ir contra essa lógica de enxergar os bichos como coisas, mercadorias, “recursos” ao nosso dispor. E isso não brotou do nada no meu cérebro. Já tenho anos de ativismo pelos direitos humanos (contra a redução da maioridade penal, pelo direito à educação dos jovens vulneráveis e periféricos), pelo feminismo, pela ecologia. É mais uma escolha que faço, assim como tentar ao máximo não ser uma mulher branca que destila racismo ou silencia outras mulheres. E tudo isso não tornou a minha vida mais “chata”, nem “pesada”, nem “difícil”. Pelo contrário, eu juntei as lutas que travo há anos e o veganismo só deu mais sentido pro bonde todo.

Tô muito longe de ser milionária, mas tenho um mínimo de poder de escolha. Isso faz com que eu possa optar por me vestir, me alimentar, limpar a casa e usar cosméticos com coisas que não envolvem nenhum ingrediente de origem animal (ou testado em animais). E óbvio que não tem como isso ser perfeito, já que vivemos num sistema que nos impõe milhões de contradições, tipo precisar de um remédio (testado em ratos), não conseguir só comer comida orgânica (todos os agrotóxicos são testados em animais), consumir algum produto de uma empresa que patrocina rodeios ou vaquejas (sei de algumas, mas sempre me surpreendo).

Mas obviamente que o veganismo anticapitalista, que eu abracei como luta, não sai colonizando povos tradicionais e batendo na porta de terreiros. Muito menos aplaudindo mega empresas que começaram a vender mentiras empacotadas nas versões vegetais. Sabe esses hambúrgueres “de plantas” aí? Minha deusa! hahaha

O que fez eu me tornar vegana, de fato, foi a soma desses fatores todos. Fora isso, descobri que era mil vezes mais fácil e prazeroso do que eu imaginava. Eu acrescento muito mais coisas do que excluo. Não tem nada de mirabolante, nem exige um tempo imenso de dedicação. A alimentação vegetal inclusive me aproximou da culinária brasileira raiz, do bom e velho arroz, feijão, couve, farinha de mandioca, batata doce, fubá, tapioca, leite de coco, amendoim, abóbora. A busca por outros itens de higiene, limpeza e beleza mais naturais e caseiros me trouxe mais saúde, mais liberdade, menos gastos e me conectou a várias marcas pequenas comandadas por mulheres.

Outro ponto crucial que me fez abraçar o veganismo foi entender o movimento como algo que vai além dos animais. Onde tem bichos explorados sempre têm humanos e a natureza também, né? Pode reparar. A pecuária lidera os índices de trabalho análogo à escravidão, os frigoríficos tão no topo do ranking dos acidentes de trabalho e o apetite humano por carne, não só no Brasil, tá acabando com as nossas florestas, com a nossa biodiversidade, e gerando a pandemias, como a do coronavírus.

Também não acredito que basta reduzir o consumo ou criar animais de forma artesanal, em pequenas fazendas agroecológicas. Isso é impossível num planeta que vai chegar a 10 bilhões de pessoas em 2050. Não tem espaço nem água pra tanto bicho. Mesma coisa pra pesca. Não vai ter peixe pra todo mundo e os pobres vão ter à disposição apenas a versão de cativeiro, cheia de antibióticos. Ovos, leite, queijo, mel, peixe, carne, frango, etc, criados de forma artesanal só serão uma opção pra poucos. E não vejo por que insistirmos nesse debate do quanto o planeta “aguenta”, já que as pessoas não vão morrer se deixarem os bichos livres. Não, não teríamos uma super população de vacas.

Aliás, aqui no Brasil a gente ainda tem um grande empurrãozinho a mais. A base da nossa alimentação, o arroz com feijão (1 cereal + 1 leguminosa), já fornece todos os nutrientes que precisamos, inclusive as proteínas. Se a gente consome tantas carnes, ovos e leite hoje em dia é por conta da influência da colonização europeia e do marketing das grandes empresas. Tá longe de ser uma necessidade nutricional, viu? E não sou eu quem diz isso, é o Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde.

Tem mais. A gente nem tem muita escolha se quiser parar de comer veneno. O maior estudo já feito sobre o tema, da Universidade de Washington, mostrou que a única forma de alimentarmos essas 10 bilhões de pessoas em 2050 sem agrotóxicos, sem sementes transgênicas e deixando as florestas de pé é com uma alimentação à base de vegetais.

Agora, é óbvio que tenho noção de que não vou acabar com o agronegócio, os testes feitos em animais, a criação intensiva, etc, apenas sendo vegana. Não dá pra achar que a gente resolve coisas estruturais com mudanças individuais, né? E é por isso que participo de grupos de ativismo que buscam discutir e construir outro sistema.

Eu também não aponto o dedo pra ninguém porque já fui a pessoa que votou no Alckmin, fazia churrasco e bebia leite condensado direto na lata. Mas não posso deixar de dar uma leve alfinetadinha aqui: faz sentido lutar pela Amazônia, ser contra esse sistema perverso, e ao mesmo tempo colocar um bife no prato, quando se tem poder de escolha? E se a gente começar a viver aquilo que acredita, hein?

Jornal do veneno Receita de ovomaltine caseiro O que é comida saudável?