cozinha,  dicas,  lanches,  receitas

Menos cheetos, mais pipoca

Por Ruan Félix*

Pipoca é algo que me acompanha desde que me considero gente. Na minha infância lembro dos saquinhos de pipoca murcha que ganhava nas festinhas de criança no subúrbio.

Na adolescência ela veio de 2 maneiras: ou na forma gourmet e cara do cinema com os amigos ou na versão de rua, com bacon ou muito leite condensado por cima, que vendia próximo do meu colégio.

Já um pouco depois da adolescência, minha madrasta me apresentou a pipoca com sazón. Achei uma coisa maravilhosa. Quem diria que um dia eu ia militar contra o uso desses sachês, né?

Hoje pipoca é meu coringa pra momentos de preguiça. Se eu tô com vontade de beliscar alguma coisa: pipoca. Se tô com preguiça de jantar: pipoca. Tô com meus amigos e queremos lanchar rápido? Pipoca.

Pipoca é um alimento tão acessível, prático e adaptável ao gosto do freguês que me espanta que em terras latinas a soberania do milho tenha sido reduzida a salgadinhos de milho transgênico com um milhão de conservantes, aromatizantes, corantes…

E pra provar que pipoca não precisa estar atrelada à manteiga, bacon ou leite condensado, eu trouxe algumas opções pra variar a pipoca por aí quando você quiser!

Atenção: em todos os modos de preparo eu digo para chacoalhar levemente a panela. Essa mexidinha é super importante para garantir que os milhos não estourados entrem em contato com o óleo quente e deixe as pipocas prontas sem queimar. Mas sempre utilize um pano de prato nas alças para fazer força na tampa e ela não subir jogando pipoca pra todo canto da cozinha (digo por experiência própria).

Pipoca da noite de Netflix

Essa pipoquinha fazia sucesso entre meus amigos nas noites que a gente se reunia pra ficar vendo filmes e jogando até tarde! O que ela tem de simples ela tem de deliciosa também.

Ingredientes

4 colheres de sopa de azeite

½ xícara de milho de pipoca

2 dentes de alho picadinhos

alguns ramos de tomilho fresco

sal a gosto

Como eu fiz: retirei as folhas do tomilho e reservei. Misturei metade do azeite com o alho picado e reservei também. Em uma panela, aqueci o azeite, juntei o milho e as folhas de tomilho. Assim que o milho começou a estourar, acrescentei o azeite com o alho que estavam reservados. Isso ajuda a não queimar o alho no processo. Deixei cozinhar até todos os grãos estourarem, agitando a panela ocasionalmente. Desliguei o fogo, adicionei o sal a gosto e, com a ajuda de um pano de prato, tampei a panela pra sacudir e espalhar o sal pela pipoca.

A favorita

É, talvez eu realmente seja doido por temperos até na hora de fazer pipoca. Mas isso não é algo ruim, certo? hahaha Eu amo essa receita porque ela é super deliciosa e equilibrada. Tenho certeza que você vai gostar bastante também. É de deixar qualquer cheetos requeijão no chinelo haha

Você já deve achar curry pronto em lojinhas de produtos naturais, mas vou deixar aqui a minha própria mistura pra caso você queira fazer em casa. O açúcar entra nessa receita pra trazer um toque doce entre os sabores fortes do curry!

Ingredientes

4 colheres de sopa de óleo

½ xícara de milho de pipoca

2 colheres de sopa de curry

1 colher de sopa de açúcar mascavo

sal a gosto

Ingredientes curry

2 colheres de sopa de coentro moído

1 colher de sopa de cominho moído

1 ½ colher de sopa de cúrcuma em pó

2 colheres de chá de gengibre em pó

1 colher de chá de mostarda em pó

½ colher de chá de feno-grego em pó

1 colher de chá de canela em pó

½ colher de chá de cardamomo em pó

½ colher de chá de pimenta caiena em pó

Como eu fiz: em uma panela grande acrescentei óleo, abaixei o fogo, juntei o milho, tampei a panela e agitei algumas vezes até o milho começar a estourar. Deixei cozinhar até que todos os grãos de milho estourassem, agitando a panela ocasionalmente. Retirei do fogo, adicionei o sal a gosto, o curry, o açúcar e, com a ajuda de um pano de prato, agitei a panela para que os temperos se misturem bem!

Pipoca da Nilsa

Essa pipoca é uma homenagem à minha madrasta que é baiana e utilizava sazón. Apresentei essa alternativa e junto um vidrinho desse tempero especial que faço só pra usar nessa pipoca. Mas fica a vontade pra usar onde achar que combina, ok?

Ingredientes gerais

4 colheres de sopa de azeite de dendê

½ xícara de milho de pipoca (se puder, prefira o não-transgênico)

2 colheres de sopa de tempero especial

sal a gosto

Ingredientes do tempero

3 colheres de sopa de colorau

1 colher de sopa de páprica doce

1 colher de chá de alho em pó

1 colher de chá de noz-moscada

1 colher de chá de pimenta caiena

1 colher de chá de gengibre em pó

1 colher de chá de coentro moído

1 colher de chá de cominho moído

1 colher de chá de mostarda em pó

½ colher de chá de erva-doce em pó

Como eu fiz: em uma panela grande, coloquei o dendê e levei ao fogo alto para derreter. Abaixei o fogo, juntei o milho, tampei a panela e agitei algumas vezes até o milho começar a estourar. Deixei cozinhar até que todos os grãos de milho estourassem, agitando a panela ocasionalmente. Retirei do fogo, adicionei a mistura de temperos e o sal a gosto. Com ajuda de um pano de prato, agitei a panela para que os temperos se misturem bem.

Pipoca afetiva da minha mãe (doce)

Essa é a receita que mais me lembra minha mãe. Até hoje não consigo fazer pipoca com chocolate gostosa como ela faz. Talvez, saber que foi ela quem preparou é que faça a diferença no sabor final da pipoca, mas vou deixar a seu critério. hehehe

Ela sempre fez essa receita com aquele achocolatado famosinho e açúcar branco, mas a medida que fomos mudando nossos hábitos aqui em casa a receita foi adaptada por ela mesma e agora é feita com cacau e melado de cana! Tomei a liberdade de acrescentar meu toque especial à receita e olha, ficou boa demais!

Ingredientes

3 colheres de sopa de óleo

½ xícara de milho de pipoca

6 colheres de sopa de melado de cana

3 colheres de sopa de cacau em pó

½ colher de chá de pimenta da Jamaica em pó

uma pitada de sal

Como eu fiz: em uma panela grande, acrescentei óleo, abaixei o fogo, juntei o milho, tampei a panela e agitei algumas vezes até o milho começar a estourar. Deixei cozinhar até que todos os grãos de milho estourassem, agitando a panela ocasionalmente. Retirei do fogo, adicionei o cacau, o melado, a pimenta da Jamaica e a pitada de sal. Com a ajuda de um pano de prato, agitei a panela para que os ingredientes se misturassem bem e a pipoca ficasse totalmente caramelizada com o melado.

Uma variação dessa receita que eu também gosto muito é trocar a pimenta da Jamaica por pimenta caiena dando um toque apimentado à receita!

É isso. Essas são minhas 4 maneiras favoritas de se fazer pipoca. Mentira, quatro não, porque eu amo pipoca com vinagre, mas você não tá preparado pra essa conversa haha.

Saiba que existem muitas maneiras além dessas apresentadas. Você pode salpicar páprica defumada, comer com molho picante, molho pesto, o que sentir vontade! Pipoca é uma deliciosa tela em branco pra que a gente possa pintar conforme gostamos mais! Espero que tenha gostado e que faça essa receita em casa quando sentir vontade de comer uma pipoquinha! Nos vemos mês que vem!

Observação: a quantidade de gordura usada nas receitas é importante para fazer com que os temperos grudem mais na pipoca.

Observação 2: fiquei um pouco borocoxô porque não encontrei brecha pra alfinetar a Juliana nesse texto hahahaha.

*Ruan é meu amigo, gastrônomo, vegano e professor de culinária especializado em cozinha vegetal com valorização de ingredientes brasileiros. Quebrou a internet com a dica do vinagre no feijão, enche o meu saco por causa do nome “batapioca” e milita em favor do protagonismo dos vegetais, pra que “lasanha vegana” e “risoles de falso camarão” sejam conhecidos como “lasanha de berinjela” e “risoles de chuchu”. Acesse aqui o Instagram, Médium ou Twitter. Para comprar as apostilas online de molhos e temperos é só enviar um alô no inbox do Instagram.

10 Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *